© 2013 Alex Martins Porque assim como eu, todo mundo merece ser feliz.

Panic – The Smiths

 

 

Eu realmente tenho passado por mudanças mil. Aos poucos fui colocando cores na minha vida (os mais próximos vão entender que isso é bem mais literal do que aparenta). Hoje consigo ver mais cores no mundo e com mais alegria comemorarei o dia do azul amanhã em tons bem mais coloridos.

Apesar de tão alegre, devo, entretanto, me lembrar do pânico que senti quanto tudo isso começou. É muito difícil mudar, é muito complicado seguir adiante numa nova história e mudar aquilo que se vive, mesmo quando o que se vive não nos agrada. A gente sente medo do novo, mesmo sabendo que o novo é  melhor que o atual, mesmo sabendo que nada pode ser pior do que o atual.

O medo faz parte da vida. Chego até a dizer que ele é necessário e nos torna previdentes, o problema é quando eles nos impede de fazer o que deve ser feito. Eu vivi por muito tempo assim, vencido pelo medo, escondido da luz preso no quarto escuro da minha mente.

Quem nunca teve que enfrentar os próprios fantasmas? Quem nunca teve que dizer a si mesmo que era hora de ter coragem e dar um pequeno passo adiante? Eu fiquei anos até conseguir, por isso entendo quem não consegue, mas digo, vale a pena enfrentar toda a dor e sair da zona de conforto que nada tem de confortável só para de repente conseguir ver um céu azul e bonito.

Eu já não acreditava e confesso que se não tivesse tido gente que acreditasse em mim talvez eu não tivesse conseguido. Tem horas em que a gente simplesmente perde a coragem e precisa de algum apoio. Eu tive,amigos, família, médicos, psicólogos, alunos. Gente que soube que eu precisava de ajuda e não negou. Gente que me ajudou a vencer o medo.

E vencer o medo não quer dizer destruí-lo, quer dizer apenas poder ir além dele. O medo continua lá, mas ele serve apenas de alerta. Ele nos diz que algo incomoda e nos faz ficar mais cuidadosos. Não quero que ele suma. Preciso dele, como preciso da alegria e de todo o amor que estou sentindo. O medo de certa forma me traz juízo.

Ele só não pode ser tão forte como já foi. Não quero mais o pânico, quero o equilíbrio. Quero apenas o medo que faz pensar e não mais o que impossibilita. E quero que mais gente consiga vencer suas barreiras. Quero ajudar como fui ajudado. Quero mais gente chegando ao seu pote de ouro no final do arco-íris.

Porque não tem graça ser feliz sozinho. É muito mais divertido ver a alegria no rosto de todo mundo ao mesmo tempo. Eu não quero rir enquanto você chora, quero sorrir com você. E com toda a alegria que eu sinto nesse momento, certamente eu sei que de alguma forma posso ajudar alguém a ser mais feliz.

Lembro do Espantalho, inimigo do Batman que espalha o tal gás do medo. Eu queria ter algo mais próximo do que o Coringa criou, uma espécie de gás do riso. Eu quero ver todo mundo tão feliz como eu. Eu quero ver o mundo realmente alegre e colorido, como é colorido o que aparece diante dos meus olhos e brilha intensamente em meu coração. Quero todo mundo junto, tudo misturado, sorrindo, rindo e gargalhando. Porque assim como eu, todo mundo merece ser feliz.