The Temptation of Saint Anthony – The Sensational Alex Harvey Band

 

 

Não sei quais dos meus leitores já viram alguma reprodução de As Tentações de Santo Antão, pintura de Bosch, artista holandês que viveu entre 1450 e 1516. Eu particularmente adoro esse quadros (ou quadros, já que a obra é composta de 3 painéis).  Ele me faz viajar e sonhar. Me faz perceber o quanto a gente fica perdido nos nossos desejos e de certa forma o quando ficamos escravizados pelo que a gente acredita querer.

A lenda diz que Santo Antônio do Egito (chamado de Santo Antão em língua portuguesa para não confundir com outros Santo Antônios como o de Pádua), procurou o diabo no deserto e passou por tentações semelhantes as que Jesus havia passado. Imaginar todas as tentações pelas quais alguém pode passar e além de tudo vencer todas essas tentações é algo realmente heroico. É nesse ponto que a magia do quadro me atinge.

Esqueço aqui toda a parte religiosa da obra, até porque eu sou ateu e pra mim, religiões funcionam como quaisquer outras lendas. As respeito, gosto de conhecê-las, mas não me parecem ser verdade. Penso sim na luta do homem com ele mesmo. No embate entre o que deve realmente ser feito e aquilo que parece mais fácil ou saboroso. O saber escolher de forma correta, pensando sempre num bem maior e não apenas num rápido prazer pessoal e pontual.

Toda vez que eu vejo essa obra penso nas minhas escolhas, penso que devo sempre tentar fazer a coisa certa e sobreviver a cada tentação que apareça. Não devo sublimar todos os meus desejos, longe disso, mas devo sim ter em mente que meus desejos devem obedecer a razão e não o contrário.

Nestes últimos dias, em diversos momentos, me vi nessa briga interna. Em diversos momentos vi os desejos aflorando e dominando minhas ações. Logo em seguida vi a razão dando a volta por cima e enterrando todos os desejos numa vala profunda. E isso acaba sendo um problema. O esconder os desejos é um erro. É só uma forma de fortalecer os mesmos e em algum momento de fraqueza cair em tentação.

A única forma de não cair em tentação é ser forte. Ser forte é encarar de frente os desafios, é aceitar aquilo que se deseja e sem sublimação do prazer. É preciso adequar o que se deseja ao que se pode. É preciso olhar nos olhos do que se deseja e agir. A falta de ação só aumenta o desejo e faz com que pequenas coisas se tornem enormes. E esses monstros gigantes tentam nos controlar, nos prender, nos deixar sem poder agir, sem conseguir fazer o que deve ser feito.

Vi isso nesses dias nos olhos brilhantes de adolescentes. Vejo isso muitas vezes quando olho nos olhos de muitos que convivem comigo e infelizmente também vejo isso quando olho pro espelho. Busco forças para melhorar e vencer meus demônios. Tento entender realmente meus desejos para que eles não virem tentação. Para que não cresçam além do próprio tamanho que possuem. Tento também ajudar os que amo a fazer o mesmo. Tento ensinar cada um a ser um tanto Santo Antão, vencer as tentações com coragem  e inteligência. Com clareza e nobreza.

Porque no fundo a gente cria sempre os próprios monstros. E só a gente é que pode derrotá-los. Mas mais fácil do que vencer o demônio criado e invocado é evitar que ele surja e se surgir, o ideal é vencê-lo quando ele ainda é pequeno e frágil.  Se puder, me ajude a superar as minhas tentações, eu prometo tentar ajudar você a superar as suas.

4 respostas para “The Temptation of Saint Anthony – The Sensational Alex Harvey Band”

  1. As vezes precisamos sucumbir aos nossos desejos para perceber que eles eram apenas uma idealização nossa… as vezes o fato de ser intangivel é que os torna tão atraentes…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.