Just Around The River Bend – Pocahontas

 
http://youtu.be/oRliKvrs2jA
 

Era pra ter escrito ontem,até tentei, mas não consegui. Fase de mudanças, troquei de casa e de cidade e ainda me sinto meio perdido. Não que eu amasse meu último endereço, mas de certa forma, me sentia acolhido escondido nas terras de Cotia. Não que eu odeie onde estou, mas confesso que ainda estranho toda vez que tenho que passar alguma temporada na casa dos meus pais.

Por mais que eu tenha passado anos e anos morando aqui, já não vejo esse local como minha casa. Não é mais nem mesmo um refúgio de fim de semana onde se busca apoio quando tudo parece dar errado. Eu sai daqui e fiz  minha vida toda fora. Eles fizeram a dele, na mais darwinista das possibilidades. Como uma espécie que se separa e com o tempo as mudanças fazem com que os indivíduos já  não pertençam mais a mesma espécie.

Não quero dizer que eu não me sinta mais parte dessa família, até porque falar isso seria uma mentira imensa. Eu sou dessa família e tenho orgulho de meus pais e irmã com todos os defeitos que nós possuímos, com todas as qualidades que a gente acredita que tem. O que acontece é que eu já não me sinto mais a vontade vivendo sobre o mesmo teto, sobre as mesmas regras e sobre os mesmos costumes 100% do tempo.

Meus hábitos mudaram com o tempo, os hábitos deles também. Faço coisas que eles estranham e muitas vezes acho absurdos alguns atos que vejo  por aqui. Eu mudei, eles mudaram, o tempo passou.

Aliás, mais uma vez o tempo me prega uma peça. Mais uma vez eu vejo nele o meu maior inimigo. Engraçado como nunca me habituo ao tempo. Tem momentos em que ele deveria passar devagar e ele acelera tudo. O segundo que merecia ser eternizado dura menos que uma fração do prazer que poderia ser gerado. Em outros momentos o que sinto é o  exato oposto. Uma dor que poderia durar segundos parece virar eterna, incomoda de forma longa e cansativa.

É assim que me sinto agora na casa dos meus pais, esperando as chaves do meu novo endereço. Vejo as horas se tornarem imensamente longas a cada olhar para o relógio. Não sei mais onde as coisas ficam, muito menos o que pode ser tocado ou alterado de lugar. As conversas também mudaram, tudo me parece estranho e eu um peixe fora da água.

Veio a mente um velho ditado que não sei quem disse. Uma frase que parece traduzir exatamente o que penso no momento. Não se pode percorrer o mesmo rio duas vezes.

Eu sinto isso na pele e vejo que mesmo tendo adentrado por essas portas tantas vezes e por tantos anos, hoje ela não é para mim o que já foi. Não é melhor, não é pior. É apenas diferente.

Nem sempre a gente aceita o diferente. Muitas vezes ele nos incomoda e aceitar as mudanças passa a ser um processo longo e pesaroso. Penso que quando partir para o próximo endereço, algo que de certa forma anseio bastante. Também passarei pela mesma experiência estranha de partida. O que muda é o não saber o que me espera lá, bem diferente do que ocorre aqui, na casa dos meus pais. Aqui eu tinha toda uma história, um passado pra retomar. Confesso que foi duro perceber que esse passado todo já se foi porque o rio já não é o mesmo, as águas que eu vi passarem já correm muito distantes daqui.

2 respostas para “Just Around The River Bend – Pocahontas”

  1. Eu sei exatamente como vc se sente porque já passei por isto. É um sentimento estranho, que as vezes nos faz sentir “menores” pelo fato do retorno, da dificuldade com a rotina (deles, que agora deve ser respeitada), mas pra resumir seria um simples “o que é mesmo que estou fazendo aqui?”.
    Aí vale o conselho de deixar um pouco o homem das ciências de lado para dar lugar ao filho.
    Permita-se ser amado, mimado, bajulado. Tire proveito das conversas ao pé do fogão, conte como foi o seu dia quando chegar em casa, beije, abrace,desfrute o café da manhã que sua mamis preparar para você, conte seus planos, fale das suas aflições, não filtre suas palavras (você estará EM CASA),peça colo, chore, deixe-os conhecer a pessoa em quem você se transformou.
    ESte sentimento de peixe fora dágua vai amenizar um pouco depois de umas duas semanas, mas pode ter certeza que deixará marcas profundas na sua vida.

    Ah, lembre-se: o tempo é seu aliado sim – sempre ! a cada dia você tem uma chance de fazer tudo diferente ou manter o que está feito. Só por isto você já é um vitorioso.
    Tem muita gente por ai que está viva, mas esquece de viver.

    1. É uma sensação estranha…rs Provavelmente quando eu me acostumar será o momento da partida. Viver segundo o tempo deles é algo que desaprendi, ter os horários deles para tudo também ainda é estranho, de qualquer forma acabo ficando pouco tempo aqui, a maior parte do tempo é trabalhando, nem meu quarto é mais meu….rs Retomá-lo foi estranho, primeiro porque a maioria das minhas coisas está longe, guardada esperando a mudança e segundo porque tudo o que vejo aqui agora não conversa mais comigo. É esperar o tempo passar e ver o que acontece…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.