Sueños por fuera de la realidad

https://open.spotify.com/playlist/3YDAi6Hy87oIGm6uYKb3Zq?si=PnP8lD2BQbOq4HxBEF0YhQ

Escrever estes textos está sendo sensacional. Cada playlist que eu coloco para tocar enquanto escrevo me faz viajar e pensar em quem me mandou, mas mais do que isso. Me faz tentar imaginar a razão das escolhas destas músicas. Provavelmente nunca saberei ao certo o que faz alguém escolher Extreme, Rachmaniof, música latina e canções infantis. Mas posso sim viajar muito em cima disso e fazer a minha reflexão. 

Não tenho conhecimento musical profundo (acredito que nem raso, só gosto de ouvir mesmo), e esse ato de brincar de crítico é para mim muito mais um exercício literário (não que eu seja tão bom nessa linha também). Uma forma de me aproximar de pessoas que de dispuseram a dividir parte do que são comigo. E é engraçado como eu acabo desenvolvendo um carinho imenso por cada uma das listas que recebi.

Tudo isso pra falar de uma das playlists mais difíceis de comentar até o momento. E não pelo conteúdo difuso, que sim é um dos mais variados entre todos os que eu recebi. O que torna a escrita mais difícil é justamente a tentativa de analisar e descobrir contextos. De entender pessoas a partir de recortes e de querer fazer jus a quem deu seu tempo para mim.

E se eu me lembro de um bate papo de muitos anos atrás numa tarde chuvosa no CEPEUSP, também me lembro que circunstâncias fizeram o mundo mudar. Cada um seguiu seu rumo até que sem nem saber como ou porquê, pessoas se reencontram

E se reencontram diferentes, pois viveram histórias diferentes num mundo diferente, passaram por pessoas e situações que moldaram o que cada um é hoje. A ponto de num bate-papo virtual (coisas da pandemia) dois amigos enxergarem nos problemas dos outros antigos problemas seus, situações pelas quais já passou. E ver essa alento no outro, traz de certa forma um alívio, porque no fundo ambos acabam acreditando que é possível passar por tudo isso e seguir adiante, seja lá qual for a sua meta adiante.

Talvez por isso essa playlist faça tanto sentido pra mim e ao mesmo tempo cause tanto incômodo. Talvez por sentir que de alguma forma eu já passei por grande parte dela e ainda tenha tanto a passar ao mesmo tempo. Talvez por ela ser sua e ao mesmo tempo relembrar em mim pontos que eu espero resolver ou que eu já tenho resolvidos e espero que você resolva.

Esse é o problema das confidências. A gente descobre tanto de si ao ler o outro que fica com medo. Afinal, até podemos acreditar que as respostas do outro também devem valer para você. Mas será que é mesmo assim? Infelizmente não. Muitas vezes são apenas um norte e em outras vezes, nem isso.

Talvez seja por isso que não se escute música latina no Brasil. Não como deveríamos, pelo menos. Nem com a obrigatoriedade do idioma espanhol nas escolas passamos a consumir a cultura dos nossos vizinhos. E isso por puro preconceito, ou talvez medo, de olhar para algo que se tem vergonha e reconhecer-se como parte daquilo. Latino americano, sem dinheiro no banco, parece que preferimos fingir ter parentes importantes e de preferência vindo do exterior (se for a Europa). 

Olhar dentro dessa playlist é mesmo buscar por sonhos fora da realidade. É querer um mundo equilibrado entre o popular e o acadêmico, com espaço para todos, é falar com o calor do coração para todos, inclusive chamando nossos vizinhos de América do Sul para bailar conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.