Shine Happy People – REM

Flores e alegria a todos os leitores

 

Depois de um longo e tenebroso inverno voltei ao blog. Voltei na verdade em uma casa nova, um novo endereço que já deveria ter nascido a muito tempo. A demora existiu devido a dúvidas e a dificuldade em programar a comunicação visual que eu queria. Tudo só saiu graças a Jaqueline do Arte da Flor, designer que criou o visual desse meu novo espaço e está também cuidando do site de um novo projeto que será assunto de um novo post.

Sumi também pra poder começar a pensar no novo livro. Está sendo pensado com muito carinho, logo trarei mais detalhes, mas confesso que muito do que ele vai trazer acabou surgindo dos comentários que vez ou outra pipocam aqui pelo blog. Gente que acaba me ajudando a construir pensamentos a partir de diferentes pontos de vista sobre os assuntos que trago a discussão por aqui.

Foi justamente isso que me deu coragem pra mudar a cara. Quis associar não só meu livro de poesias e meus textos ao que divido com vocês. Quis também mostrar meu trabalho como fotógrafo e quis também me abrir a um contato maior com as pessoas. Quero trazer um pouco mais minha poesia e ler críticas sobre isso. Quero mostrar um tipo de foto que raramente tinha espaço no antigo espaço e quero tentar mostrar o que exatamente quer dizer cada opinião minha. A forma como penso apresenta uma certa linearidade raramente percebida. Isso tem a ver com a forma como eu vejo e vivo o mundo e por incrível que pareça, isso fica difícil nos posts que coloco por aqui. Isso porque muitas vezes eles funcionam como recortes pontuais de uma visão sobre determinado assunto.

Agora me vejo mais livre, com espaço para falar com maior precisão sobre qualquer coisa que pintar. Inclusive para falar com mais liberdade sobre o meu trabalho. Eu levo muito a sério o que faço e principalmente a forma como faço. Tenho um orgulho besta e muitas vezes juvenil de algumas coisas que já fiz. Gosto particularmente de algumas fotos, de alguns poemas, de muitas aulas que ministro (aliás o mais engraçado, são aulas em que raramente fotografia ou poesia aparecem). Tenho orgulho de ter crescido na família que cresci e ter tido a educação que tive. Num sistema altamente democrático, principalmente se pensarmos numa área da periferia paulistana e num casal central formado por um retirante nordestino que veio pequeno e sem recursos para São Paulo, trazido pelos pais analfabetos junto com os demais irmãos e uma migrante mineira que chegou em Sampa também nova, caminhando para cá junto com o crescimento das estradas também com seus pais e irmãos trabalhadores.

Espero que quem venha aqui curta o espaço e deixe suas impressões, quero que o lugar seja meio como a música do REM, cheia de gente alegre interagindo. Dizendo o que pensa, falando o que deseja e tentando de uma maneira ou de outra ser feliz. Quero que este espaço seja não só meu, mas seu também e espero que você aceite o convite.