Ensaio Sobre a Cegueira…

Vista do Pico do Jaraguá - linha de poluição
Vista do Pico do Jaraguá - linha de poluição

Volto agora a discutir o olhar de cada um. Faço isso devido a conversas com amigos. Um termo que surgiu “cegos funcionais”, ficou martelando na minha cabeça. Primeiro porque não é a primeira vez que me deparo com esse tipo de discussão, e a primeira vez que me deparei com essa discussão e aprendi muito. Segundo porque como fotógrafo, uma das minhas maiores diversões é buscar cenas óbvias que apesar de óbvias são vistas por poucas pessoas. E terceiro, me intriga ver a quantidade imensa de pessoas que não percebe a imensa quantidade de informações que passa diante dos seus olhos a cada segundo.

O título do tópico vem de um livro que me marcou, de certa forma ele representa um instante extremamente importante da minha vida. O livro sempre me traz ótimas lembranças. E justamente essa tal cegueira funcional pode ser um dos temas levantados a partir da leitura da obra de Saramago. Não vou me alongar no que traz a obra, até porque é um livro que eu acredito que você leitor do blog merece descobrir página a página, aliás recomendo que você leia o livro antes até de ver o recente filme.

Mas voltando ao tema. Primeiro quero falar de modo mais sutil, voltando a imagem que abre o tópico, não a cena, mas o fato concreto, observe essa foto, ela foi batida no Pico do Jaraguá em São Paulo, local de onde se pode avistar grande parte da cidade. A foto está razoavelmente bem feita, as cores estão bem vivas e a cena é relativamente bonita. Outra foto também da cidade de São Paulo, o céu anoitecendo e o vermelho forte deixa a cena bastante bonita e interessante. 

Qualquer um gostaria de ver essas cenas, de poder estar em locais em que isso é bem visível, certo? Errado A beleza das cenas nesse caso provém de poluição, o ar sujo da cidade grande acaba proporcionando essas belas cenas, cheias de cores fortes e contrastantes. 

Belo e poluído
Belo e poluído

Mas o que isso tem a ver com o olhar? Podemos escolher duas linhas para tratar o assunto, a primeira e mais rapidamente apresentável é a de mostrar que as aparências não mostram nada, que o que vale é realmente aquilo que se é e não o que se apresenta. Mas isso seria um caminho extremamente moralista e não é exatamente o que eu procuro como mote aqui nesse espaço. 

O segundo e para mim mais interessante caminho é o de que a informação possui um peso diferente para cada pessoa. Não exatamente como o texto anterior onde a visão de cada um podia levar a um caminho diferente. Nesse caso o que vale é a informação que cada um possui. 

As cenas são visualmente belas, mas quando temos a informação do que traz a beleza para as mesmas, talvez nossa opinião mude. Talvez, entretanto possamos seguir outra via, dizendo que é o preço que se paga pelo progresso. E se assim for o que se faz é apenas um juízo pessoal de valores. A pessoa com a informação tira as conclusões que desejar. Eu posso olhar para o preço do dólar baixando e achar interessante pela valorização do real ou ruim pela dificuldade de exportações e em nenhum dos casos estarei errado. 

E isso é bastante interessante no que se refere a possibilidade de podermos crescer como pessoas. A questão é saber se estamos abertos a ouvir novas opiniões e discuti-las. Se assim for ótimo. Caso ocorra o contrário, a intolerância e a violência acabam ganhando mais válvulas de escape, temos que perceber que nem sempre estamos certos (acho que na maioria das vezes erramos) e por isso é necessário aprender a ouvir. 

espuma nas águas do rio Tietê em Santana do Parnaíba
espuma nas águas do rio Tietê em Santana do Parnaíba

Obs.: falando nisso, gostaria de ouvir o que vocês leitores acham desse espaço, mande uma mensagem para que a gente possa interagir sobre os temas discutidos, participe, mande sugestões de temas e idéias.

Obs(2).: Aos que acompanharam o drama da Claudia com a perda de seu cão, temos uma boa notícia, ele foi encontrado!!!!

Visões

se3-medium
Catedral da Sé

Passeando pelo mundinho virtual (muitas vezes pelo mundinho visual azul do orkut) vejo como é complexo tentar ver o que o outro vê. As vezes as brigas surgem e pessoas estão dizendo exatamente a mesma coisa, mas como não existe um rosto, não existe a chance de se entender as expressões.

Nesse mundo virtual, um local onde muitas vezes encontro esse tipo de postura é no Mundo Fotográfico (fórum de fotografia que eu recomendo nos links ai do lado). Muitas vezes leio coisas que parecem atravessadas, mas ai me lembro de como são essas pessoas ao vivo (muitos são meus amigos pessoais) e nem me estresso. Aliás na maioria das vezes tento evita que alguém se estresse por um comentário mal escrito, ou aparentemente atravessado.

O aparentemente, neste caso, é o mote pro texto de hoje. Relembrando um passeio antigo com amigos desse fórum, fomos todos ao centro de São Paulo, fizemos um percurso relativamente longo, começando no metrô São Bento, indo até a Praça da Sé e partindo em direção ao mercado da Cantareira. Cada um foi fazendo suas fotos, eu fiz as minhas.

Voltei pra minha casa e fiquei pensando no que era esse centro, o que ele me passava, era bonito? Feio? Perigoso? Acolhedor? Fiquei um tempo bem neurótico com isso e acabei traçando umas linhas a respeito, o texto é velho, mas está logo abaixo e continua totalmente atual pra mim, ainda vejo tudo do mesmo jeito lá.

Estação da Luz
Estação da Luz

Bom o Centro!!! A cidade que nasceu ali no Pátio do Colégio, hoje transformado em museu e que se expandiu para todos os lados tem alguns marcos na região central. A catedral da Sé, imponente marca o Centro Histórico da Cidade, belíssima construção. Ali pelas redondezas, vemos o Tribunal João Mendes, Mosteiro de São Bento, Estação da Luz , Teatro Municipal, etc.

Então a cidade é bela, certo? Depende de quem vê. Nesse mesmo centro vemos os prédios todos decaídos, precisando de reformas, Na praça da Sé, ao lado da imponente igreja, vários meninos de rua e mendigos vivem da caridade de pessoas que passam por lá. As vezes pequenos crimes são cometidos, mesmo com o forte policiamento na área.

Existe um submundo entre as construções históricas importantes, se vê droga, descaso, prostituição, violência. É essa vista que pode afastar as pessoas de uma região, e aliás afasta, conheço várias pessoas que temem o centro da cidade, outras adoram.

Essa diferença de gostos se dá por modos diferentes de se ver o que aparece ao redor, uma pessoa próxima tem me dito ultimamente que podemos optar entre curtir todos os momentos ou focar todas as esperanças num único ponto. Não sei ao certo se é tudo 8 ou 80, talvez existam pontos intermediários, mas não os julgarei aqui.

A questão é que se você quiser realmente poderá encarar algo como lindo e maravilhoso, fechar os olhos para todos os problemas que ele apresenta, como a degradação e sujeira do centro, o perigo e a violência. Por outro lado pode fazer também o contrário, passar correndo temendo os perigos e não perceber detalhes ricos como a beleza do Municipal, nunca entrar na Catedral da Sé ou no mosteiro de São Bento, que são duas belas construções.

mosteirodesaobento
Mosteiro de São Bento

Eu sinceramente vejo que teríamos que encarar tudo como uma terceira via, não só observar o belo, nem apenas enxergar o triste, mas isso é difícil e complexo, as vezes nosso olhar se vicia e procura apenas aquilo em que acrditamos, as verdades que nos são passadas dia após dia por amigos, meios de comunicação, por tudo o que nos cerca.

A leitura de mundo assim acaba viciada e intolerante, talvez seja esse um dos motivos para tanta violência sem razão, não aprendemos a utilizar os olhos dos outros, apenas os nossos captam a verdade. Mas eu deixo uma pergunta, Existe Verdade????

Prisioneiros

Alguém já viu uma cela com grades assim?

     Pois é, virei blogueiro, ou pelo menos tentarei virar. A idéia é sempre que me surgir algum assunto interessante vir aqui. Falar aquilo que penso e da forma como penso.

Começar algo nunca é simples, mas é sempre necessário. Escolher o tema do primeiro texto também não foi tão fácil. A primeira opção e justamente a que venceu foi falar daquilo que mais me incomoda. A vida urbana, a forma como as cidades nos dominam.

Com um grupo de amigos fotógrafos, estou tentando dissecar a urbe e mostrar o que vejo e sinto dela. Acho que nesse espaço posso brincar um pouco com isso. Sem me aprofundar muito, quero ao menos lançar as idéias que estou desenvolvendo nesse ensaio fotográfico.

Eu sempre fui (e ainda sou) uma pessoa que teme multidões, pessoas me assustam e nunca escondi isso de ninguém. O que talvez tenha escondido nesse tempo todo é que sinto uma certa inveja da forma leve como todo mundo encara a multidão. E justamente pra tentar ler essa multidão que eu procuro entender as cidades. Se repararmos, num ambiente urbano vivemos presos em regras.

Ninguém se pergunta o motivo, mas todos se vestem de forma parecida, possuem sonhos parecidos, comem coisas parecidas, se divertem de forma parecida e até se irritam pelos mesmos motivos. Você já se perguntou pelo real motivo de ter que trabalhar todos os dias? Por que as mulheres usam saias e os homens calças compridas (calma não quero andar por ai de saias)? Por que é divertido ficar dançando a noite toda? Por que fico com raiva toda vez que um folgado não cede lugar no metrô pra um idoso?

Até respondemos essas perguntas, mas concorda que todas as respostas são superficiais? No fundo, a resposta mais coerente pra essas e diversas outras questões seria por que todo mundo age assim também. E nessa brincadeira, confesso que me sinto como as formigas no filme FormiguinhaZ, onde a diversão delas é dançar macarena todo mundo junto.

Essa padronização acaba surgindo também em quem deveria transgredir as regras. Os artistas adoram se dizer diferentes, mas será que fogem desse lugar comum? Os conceitos de belo e feio são padrões, e preferencialmente padrões simples de serem decodificados por qualquer pessoa que veja o que se apresenta.

Existe espaço para o realmente diferente na nossa sociedade? Infelizmente acredito que não e ai me sinto preso também dentro desse contexto. Atrás de grades dispostas sempre da mesma forma, por que é assim que sempre foi e assim sempre será.